Período de Adaptação

Hora de acolher e cultivar a confiança

Entrar em um espaço novo e desconhecido, cheio de pessoas diferentes, não é nada fácil para as crianças pequenas. Tampouco para as famílias, que também sentem a separação. Depois, todos irão descobrir coisas divertidas e gostosas, mas, antes disso, é natural haver insegurança e resistência. Motivar as crianças e passar uma sensação de acolhimento e segurança é a chave para a descoberta da escola como espaço de prazer, onde todos se sentem bem. Então, aqui vão algumas dicas para ajudar neste processo tão importante: a Adaptação.

Horários e procedimentos

  • Berçário
    Nos primeiros dias, a criança permanece na escola por apenas uma hora, marcada previamente, das 9h30 às 10h30 ou das 14h30 às 15h30. Após conhecer a sala, a profissional que será referência nos primeiros dias da adaptação e se despedir da criança, o responsável pode esperar em outro espaço da escola até o horário da saída.Caso a família já tenha feito a entrevista com a nutricionista e a criança esteja bem, no terceiro dia, ela pode se alimentar na escola. Assim, o tempo de permanência aumenta, gradativamente, ao longo da semana.
  • Maternal
    Inicialmente, o aluno permanece apenas duas horas na escola, em horário previamente marcado. Normalmente, a adaptação é feita nas atividades em Português, mas pode ser feita no horário do Inglês para os estrangeiros.De acordo com a aceitação do aluno, o tempo de permanência aumenta. Para isso, é importante que a família preencha o formulário de nutrição, requisito para que o aluno possa se alimentar na escola.

Quem deve acompanhar

É importante que os pais conheçam a escola e os profissionais e saibam como a criança está reagindo, para que sintam segurança e passem isso para seu filho. Muitas vezes, no entanto, por ser mais difícil para a criança se despedir dos pais, outro familiar ou a babá pode ajudar. É importante que essa decisão seja avaliada pela família e pela equipe técnico-pedagógica da escola. Ao longo do período de adaptação, essa pessoa também pode mudar, dependendo das reações do aluno.

Como a família pode ajudar

É importante que mães, pais e outros familiares passem confiança para as crianças. Uma boa maneira de fazer isso é explicar que a escola é um espaço onde sabem cuidar delas, esclarecer o que podem fazer nesse espaço, enfatizando o quão prazeroso pode ser, e que irão se reencontrar depois. Também é importante que os pais contem aos professores as preferências dos filhos para ajudar na criação do vínculo. Em relação aos alunos antigos, um bom recurso é mencionar os amigos, as professoras e os auxiliares e o que gostavam de fazer.

É fundamental a família passar o maior número de informações possível sobre a criança para a equipe da escola, como alergias ou dificuldades. Para isso, são feitas entrevistas com profissionais das áreas de Psicologia, Nutrição e Pediatria, seja pessoalmente, no caso do Berçário, ou por meio de formulários enviados para casa.

No período da adaptação, também é importante os pais observarem as reações da criança em casa e procurarem esclarecer possíveis dúvidas ou incômodos com a equipe técnico-pedagógica.

Cuidados da escola e retorno às famílias

Toda a equipe da escola está especialmente atenta no período da adaptação, observando o aluno e buscando informações da família que possam ser importantes no momento.

O feedback é dado pessoalmente, se a família ainda está na escola, ou por telefone. São ajustados horários e progressos e feitos combinados, respeitando-se o aluno e a família.

Aluno da Pré-Escola e do Ensino Fundamental também requerem atenção

Quem já é grandinho também precisa de ajuda. Seja porque estava de férias, em outro ritmo que agora vai mudar, seja porque vem de outra escola e vai fazer amigos e participar de tarefas novas.

Este é o momento de apoiar a criança na retomada de uma rotina organizada, com hora para cada atividade, de aconselhar a ter cuidado com os materiais e de proporcionar um local arrumado em casa para estudar e fazer os trabalhos. Mas, principalmente, é hora de estimulá-la a ir com prazer a um lugar cheio de atividades e amigos. E de observar, de perto, suas reações, compartilhando com a escola.