Prontos para o desafio

Cadernos de criatividade estimulam a redação e produção artística

No Miraflores, os alunos do Ensino Fundamental têm uma tarefa certa todo fim de semana: preencher o caderno de criatividade. Ele é tão importante que ganhou lugar de destaque na “XXIII MiraExpo do Saber – Conhecer para Preservar”, realizada no dia 30 de setembro, reunindo trabalhos de todo o colégio. “Desde o primeiro ano as crianças têm a liberdade de escrever um texto livre ou de alguma data comemorativa. Eles também fazem uma ilustração. A escola desenvolve o protagonismo das crianças, que aprendem a ler o mundo com seus próprios olhos”, diz a coordenadora pedagógica da unidade Barra, Jane Lima.

Os alunos menores, que ainda estão aprendendo a ler e a escrever, também participam. “Desde pequenininhos cada um escreve do seu jeito, no seu tempo. A turma do 1º ano começa sem escrever textos longos, apenas com palavras e frases. Quando chega ao 5º ano, a professora já trabalha com os diferentes gêneros textuais e textos de opinião, que é o que eles vão enfrentar no futuro”, explica Jane.

Olhar crítico sobre a realidade

Nas datas comemorativas, as professoras aproveitam para incentivar a análise crítica do tema proposto. “Por exemplo, se é o dia do índio, vamos repensar o índio. Onde ele mora, como vive e em que circunstâncias. A gente não oferece ao aluno uma questão pronta com ideias pré-concebidas. Eles vão pesquisar e fazer o registro”, diz a coordenadora.

No Miraflores, o gosto pela literatura é estimulado desde o Berçário. “Quando você conta histórias, a criança vai absorvendo. Você faz perguntas e ela vai respondendo. Então, como é que a gente escreve bem? De tanto ouvir histórias, desenhar histórias. Depois colocar no papel é fácil”, afirma Jane.

Desafio aos visitantes

A MiraExpo do Saber expôs os cadernos dos alunos do 5º ano para que os visitantes pudessem conhecer e acompanhar esta evolução. A coordenadora Jane conta que um dos livros estudados este ano, como parte do tema proposto para feira do conhecimento, foi “O menino que carregava água na peneira”, de Manoel de Barros. “A gente levou a palavra ‘carregava’ para o contexto do Miraflores. A palavra Miraflores é carregada de quê? Então cada aluno fez um poema com as palavras que encontrou no nome da escola. E o visitante estava livre para também fazer um poema com a palavra Miraflores ou com o próprio nome”, completou.